IRAC-BR participa de evento sobre manejo da resistência no Mato Grosso


Os casos de resistência de pragas, fungos e plantas daninhas aos defensivos agrícolas disponíveis no mercado estão cada vez mais frequentes. Isso é decorrente ao uso indiscriminado desses produtos, o que favorece a seleção de organismos resistentes, tornando-se necessário a implementação de medidas que possam reverter esse cenário e garantir a longevidade das táticas de controle.

Com o intuito de difundir os conhecimentos da área de Resistência, nos dias 23 e 24 de julho ocorreu o “II Seminário Mato-Grossense sobre Manejo da Resistência”, em Cuiabá. O evento foi realizado por meio de uma parceria entre diferentes instituições do estado dentre os quais a Fundação Mato Grosso (Fundação MT), o Instituto Mato-grossense do Algodão (IMAmt) e a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa). O Seminário contou também com a participação dos comitês brasileiros de ação à resistência, FRAC-BR (Comitê Brasileiro de Ação à Resistência a Fungicidas), IRAC-BR (Comitê Brasileiro de Ação à Resistência a Inseticidas) e HRAC-BR (Associação Brasileira de Ação a Resistência de Plantas Daninhas aos Herbicidas).

Durante o seminário foram apresentados os resultados de trabalhos que tiveram como objetivo monitorar a suscetibilidade das principais pragas, doenças e plantas daninhas a diferentes produtos químicos. Foram discutidos os problemas de resistência e caracterização, com foco para o Estado do Mato Grosso, das zonas de risco rápida evolução da resistência às principais táticas de controle. Os temas abordados e discutidos durante o seminário foram de grande importância, pois permitiu com que os grupos ali presentes propusessem ações efetivas para evitar os problemas ocasionados pela resistência.

A programação foi dividida em painéis temáticos, sendo eles: “Visão holística sobre resistência”; “Entomologia” com discussões sobre os fatores de resistência de insetos à táticas de controle (como o químico e as cultivares BT); “Plantas daninhas”; e ‘’Fitopatologia” com o foco em ferrugem, mancha-alvo e ramulária.

Estavam presentes pesquisadores das iniciativas pública e privada, consultores técnicos, profissionais da equipe técnica de propriedades e/ou grupos agrícolas e representantes de empresas de agroquímicos.

Eventos como este são muito importantes para a divulgação de conhecimentos sobre resistência bem como enfatizar cada vez mais a necessidade da implementação de Leis ou medidas para a melhoria das fiscalizações fitossanitárias, visando uma agricultura mais sustentável e que atenda padrões internacionais, contribuindo para melhorar ainda mais a imagem da produção de grãos e fibras no MT e no Brasil.

Assim como promove um intercâmbio de informações entre pesquisadores e instituições possibilitando o estabelecimento de um mapa das ocorrências dos casos de resistência e, consequentemente, o planejamento de ações para o manejo de forma pro ativa, levando em consideração as particularidades de cada região produtora.

Veja abaixo os assuntos abordados nas palestras proferidas no “II Seminário Mato-Grossense sobre Manejo da Resistência”.

23/07/2019

  • Impactos da resistência para a sociedade

  • Painel Visão holística sobre resistência

  • Ações do MAPA para mitigação da resistência

  • Legislação relacionada à resistência

  • Painel Entomologia

  • Monitoramento da suscetibilidade de lepidópteros aos inseticidas e plantas Bt

  • Resultados da rede de ensaios de inseticidas para percevejos

  • Monitoramento da suscetibilidade de lepidópteros e sugadores aos inseticidas

  • Monitoramento da suscetibilidade do bicudo do algodoeiro aos inseticidas

24/07/2019

  • Painel Plantas Daninhas

  • Panorama da resistência de buva e amargoso e práticas de manejo no Mato Grosso

  • Ensaios sobre manejo de buva e amargoso conduzidos pela FMT

  • Ações de manejo e de monitoramento da suscetibilidade de capim-pé-de-galinha conduzidas pela Embrapa

  • Ações de manejo e monitoramento da suscetibilidade de capim-pé-de-galinha conduzidas pelo IMAmt, Univag, UFMT e HRAC

  • Monitoramento, mecanismo de resistência e manejo de Amaranthus spp.

  • Manejo de Amaranthus palmeri em sistemas produtivos em Mato Grosso

  • Controle de tiguera e soqueira de algodão resistente a herbicidas

  • Controle de tigueras de soja e milho resistentes a herbicidas

  • Painel Fitopatologia (ferrugem e mancha-alvo)

  • Monitoramento da sensibilidade de Phakopsora pachyrhizi aos fungicidas

  • Resultados da rede de ensaios de fungicidas para o controle da ferrugem-asiática (Phakopsora pachyrhizi)

  • Monitoramento da sensibilidade de Corynespora cassiicola aos fungicidas

  • Resultados da rede de ensaios de fungicidas para o controle de mancha-alvo (Corynespora cassiicola)

  • Resultados da rede de ensaios de fungicidas para o controle da mancha de ramulária (Ramularia areola)

  • Painel Fitopatologia (mancha de ramulária)

Mais recentes
Siga-nos

1/2

Comitê Brasileiro de Ação à Resistência a Inseticidas - IRAC-BR - 2020

Desenvolvido por Allge Pesquisa e Desenvolvimento