Resistência das pragas a métodos de controle é debatida durante o Seminário de Agrotóxicos no Enfisa 2015

16/6/2015

O 13º Encontro de Fiscalização e Seminário de Agrotóxicos (ENFISA 2015), que aconteceu nos dias 18 a 22 de maio, em Salvador/BA, teve em sua programação a palestra “A importância de medidas legislativas como ferramenta de manejo à resistência de pragas”, que foi apresentada por Herbert Siqueira, da Universidade Federal Rural de Pernambuco e que também é membro do Comitê Brasileiro de Ação à Resistência a Inseticidas (IRAC-BR).

 

O palestrante mostrou que a evolução da resistência de pragas aos pesticidas tem sido um dos grandes entraves em programas de manejo integrado de pragas em diversas culturas.  Dentre as consequências da resistência estão a aplicação mais frequente de produtos, uso de dosagens acima da recomendada no rótulo ou na bula, uso indevido de misturas e mudança de produto (geralmente para um mais caro e/ou mais tóxico) na tentativa de se obter um controle satisfatório de uma determinada praga.

 

A palestra de Herbert fez parte da mesa-redonda “Boas Práticas no Uso de Agrotóxicos” que teve como objetivo promover o uso adequado de agrotóxicos, bem como apresentar iniciativas de sucesso para proporcionar o uso correto dessas tecnologias, de modo a conciliar a prevenção dos danos causados por organismos nocivos, a segurança do ser humano e do meio-ambiente. A mesa-redonda foi moderada por Rosilene Souto do SDC/Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

 

Durante o evento, Herbert explicou que as questões sobre a resistência de pragas têm que ser levadas em consideração não apenas pela indústria de defensivos como também por todos os setores da sociedade. “A resistência a inseticidas precisa de atenção por parte do Ministério da Agricultura e dos seus fiscais. “É importante que os órgão fiscalizadores tenham conhecimento sobre o que é a resistência a inseticidas e, ao meu ver, é preciso uma mudança urgente na academia para deixar esse assunto mais claro para os profissionais, visto que a realidade agrícola mudou muito nos últimos anos e a resistência se tornou um assunto importante”, esclarece Herbert.

 

Hebert Siqueira possui graduação em Agronomia pela Universidade Federal de Viçosa (UFV), mestrado em Entomologia pela mesma instituição e doutorado em Entomologia pela University of Nebraska–Lincoln (EUA) e Pós-Doutorado em Bioquímica e Biologia Molecular de Insetos.  Atualmente, é professor Associado I da Universidade Federal Rural de Pernambuco e Coordenador do Programa de Pós-Graduação em Entomologia Agrícola.

 

O ENFISA 2015 foi coordenado pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abstecimento (MAPA), em conjunto com a Agência Estadual de Defesa Agropecuária da Bahia (ADAB). Além disso, conta com o apoio das seguintes instituições: SBDA – Sociedade Brasileira de Defesa Agropecuária, ANDEF, Associação Nacional de Defensivos Genéricos (AENDA), Associação Nacional de Distribuidores de Insumos Agrícolas e Veterinários (ANDAV), Instituto Nacional de Processamento de Embalagens Vazias (INPEV), Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para Defesa Vegetal (SINDIVEG), Associação Brasileira das Indústrias de Química Fina (ABIFINA), União dos Fabricantes Nacionais de Produtos Fitossanitários (UNIFITO), Associação Brasileira das Empresas de Controle Biológico (ABCBio) e CREA-BA.

 

Please reload

Mais recentes
Please reload

Siga-nos

1/2

Comitê Brasileiro de Ação à Resistência a Inseticidas - IRAC-BR - 2020

Desenvolvido por Allge Pesquisa e Desenvolvimento